sexta-feira, 8 de novembro de 2013

“CAVACO PERTENCE AO BANDO DO GOVERNO”



A NECESSIDADE DE UM ACTO REDENTOR

Embrenhado em múltiplas leituras desde há quase dois meses, tinha decidido não voltar à escrita tão cedo por entender que as palavras estão esgotadas e estar convencido que já não vai ser por via delas, por mais inflamado que seja o seu uso, que a situação portuguesa poderá ter a reviravolta que os portugueses – os portugueses silenciados pelos grandes meios de comunicação social - verdadeiramente desejam e que a todo o momento esperam para nela poderem entusiasticamente participar.

As palavras de Soares ontem proferidas numa justíssima homenagem a Salgado Zenha fizeram-me, porém, reflectir sobre o silêncio a que voluntariamente me submeti por ter entendido – e bem – que tudo já estava dito, por alguns desde o início da crise financeira, sobre a natureza dos problemas com que Portugal se defronta, sobre as suas causas, sobre a criminosa política levada a cabo por este Governo com a persistência e a resiliência (como eles próprios dizem) típica dos agem em bando.

De facto esta capacidade que o Governo demonstra de sucessivamente prevaricar mesmo depois de punido, voltando, com a elasticidade própria dos bandos, a praticar os mesmos actos ilícitos e cada vez mais disposto a recorrer a tudo o que seja necessário para assegurar a sua impunidade, levou-me à conclusão de que afinal nem todas as palavras estão esgotadas.

Mário Soares deu o mote quando ontem à tarde colocou Cavaco Silva, Presidente da República, no bando do Governo. Não há nada que possa desacreditar mais a actual situação política nem simbolizar tão enfaticamente o desprestígio em que caíram as instituições do que um prestigiado ex-Presidente da República, numa sessão pública em que se falava das relações dos políticos com os dinheiros públicos, ter situado expressamente o actual Presidente da República “no bando do Governo”.

As palavras, afinal, não estão esgotadas. As que estão esgotadas são as que insistem candidamente na tentativa de responder à presente situação pelos meios habituais. Essas já não levarão a parte nenhuma e de um ou de outra maneira, por uma ou outra razão, acabarão por consolidar a política do Governo ou de quem porventura lhe suceda assegurando-lhe a falaciosa legitimidade para fazer praticamente o mesmo.

De facto, não interessa mais discutir se vai ou não haver acesso aos mercados, se vai ou não haver aquilo a que eufemisticamente chamam “programa cautelar”, se o PS está ou não predisposto ao consenso, se o Tribunal Constitucional está ou não a ser pressionado e ameaçado por todos os elementos do “bando”, desde o Governo aos responsáveis pelas instituições internacionais, passando, obviamente, pelos banqueiros e demais plutocratas, com o silêncio cúmplice e concordante do Presidente da República. Tudo isso está mais que escalpelizado e os portugueses, mesmo quando não podem acompanhar tecnicamente os meandros destas discussões, têm sobre todas elas uma opinião hoje muito consolidada, como se depreende do que se lê nas redes sociais e do que se ouve nas “antenas abertas”, na rua, nas conversas de café -  enfim, o que não falta é um amplo consenso sobre o que “fazer ao Governo e às suas políticas”.

Os portugueses em geral, nomeadamente os pobres, os desempregados, os velhos, os reformados, os trabalhadores em geral, a própria classe média permanentemente atacada pelo propósito de a dissolver na larga massa de proletarizados sem direitos, sabem que há uma guerra movida contra eles. Uma guerra feroz, em curso em vários países e em várias latitudes, dirigida por forças obscuras que nem sempre o povo que a sofre consegue identificar com nitidez quer no protagonismo de quem a comanda quer nos propósitos de quem a dirige, pela permanente mistificação a que esses propósitos são sujeitos pelas a grandes correias de transmissão do nosso tempo (os media). Mas do que esse povo não tem dúvidas é que essas forças por muito obscuras que sejam e por maior que seja a mistificação dos seus propósitos estão representadas em Portugal pelo ”bando” que se apoderou do país e que nele actua como zeloso executor material daqueles propósitos.

Esta guerra é, porém, impossível de vencer pelos meios habituais. Ela tem a favor de quem a move a pretensa legitimidade dos que agem fundados na vontade popular. Uma falsa vontade popular permanentemente deturpada pela completa divergência entre o prometido e o realizado e totalmente condicionada por um gigantesco colete de forças que impede qualquer movimento, qualquer gesto, que se afaste do padrão de comportamento traçado pelo bando que governa o país, brandindo à menor tentativa de divergência as mais terríveis ameaças imediatamente agravadas, em estreita consonância, pelas forças obscuras em que o Governo se estriba para impedir o menor desvio.  

É, portanto, uma guerra na qual é muito difícil lutar com as armas habituais. Na guerra que os mais fortes movem contra os mais fracos a derrota é sempre certa se os mais fracos insistirem em travar a luta no campo que os mais fortes lhe demarcam e com as armas que “convencionalmente” lhes impõem. Há que mudar de rumo para poder alcançar a vitória.

Por isso, o que este país verdadeiramente precisa é de um “acto redentor” que dê esperança e confiança ao povo, que lhe abra caminho para um futuro diferente. Um acto que fomente a coragem dos que já nada tem a perder predispondo-os a lutar por outros meios. Um acto que pelo exemplo que desperta seja capaz de impulsionar para a luta todos os que querem a mudança mas não sabem como alcançá-la!

É esse "acto redentor" que não pode tardar...


10 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

As palavras, quando referidas a actos, não sofrem erosão. Os actos passados carecem de palavras de esclarecimento, de compreensão. Os actos correntes carecem de palavras de resistência e os actos futuros das palavras que agora o fazem regressar à escrita.

Nunca deserte das palavras e, sim senhor,
que venha de lá (já) esse acto redentor

Anónimo disse...

Meu caro,

Seja bem regressado. A sua falta é muito sentida, acredite.
De tudo o que bem escreve, há uma dúvida que não consigo calar: será Mário Soares a pessoa mais indicada e com mais autoridade moral para falar de relações dos políticos com os dinheiros públicos?

Abraço
JR

jlsc disse...

Bem haja.
O seu texto é como uma rajada de vento fresco no pico do sufoco.
Quando uma carta do baralho cair, e o castelo ameaçar ruína, será tempo para outros jogos.
Um tempo que urge, que não pode ficar refém dos planeados ciclos eleitorais.
A legitimidade para esse grito existe.

Francisco Seixas da Costa disse...

Welcome back!

Raimundo Narciso disse...

Ora sejas bem aparecido. Também ando pouco crente na eficácia das palavras. Mas à falta de melhor...

O Puma disse...

Soares no seu melhor espelho

Anónimo disse...

Exmo Senhor Dr. José Manoel:
A memória das pessoas é curta. Portanto, nunca é demais insistir. Bem haja pelo seu regresso. Todavia, se este artigo de opinião de V. Exa. é sincero do princípio até ao fim (esperamos que não), não deixa de ser muito preocupante e decepcionante para os desfavorecidos deste País.
Com os meus respeitosos cumprimentos.

JM Correia Pinto disse...

Muito obrigado a todos. vou tentar corresponder.

carlosvale2005@gmail.com disse...

Senti bastante a sua ausência.
Nem sempre estou de acordo com que diz. Todavia, estou muito mais de acordo do que em desacordo.
Penso que não está tudo dito.
E espero que volte à luta com as suas opiniões.
O POLITEIA já não é só seu...
Cumprimentos.

Anónimo disse...

Prestigiado???? O autor deve estar com Alzheimer!!!! Será que nunca leu o livro do Rui Mateus ou mesmo os artigos de J. M. Cerejo sobre as actividades do "Rei Bastardo"?