quarta-feira, 13 de abril de 2011

CAVACO - O GRANDE EQUÍVOCO


CAVACO SÓ PODE FAZER O QUE SABE FAZER

De todo o lado chovem críticas ao comportamento de Cavaco, como Presidente da República, na gestão da presente crise.

Uns dizem que ele deve intervir mais, outros que fala de menos e que não sabe usar a palavra. Alguns criticam a interpretação muito literal que ele faz da Constituição. Houve até quem dissesse, perante tanto silêncio, que seria conveniente passar lá por casa, não tivesse acontecido qualquer coisa…

A verdade é que com estas críticas está-se a pedir a Cavaco o que ele não é capaz de fazer. Quem incita Cavaco a agir, ou, pelo menos, uma grande parte dos que incitam Cavaco a agir, quer que ele desempenhe um papel moderador na política portuguesa, entre os dois principais partidos, ajudando-os a encontrar entendimentos, tanto mais que ambos estão de acordo quanto ao essencial.

E que seja na sociedade portuguesa um pacificador e um portador de esperança.

Pedir isto a Cavaco é pedir-lhe o impossível. É claro que Cavaco quer agir. Está ansioso por agir, só que acção que ele tem em mente situa-se nos antípodas da que lhe é pedida.

Cavaco não quer compor. Quer impor. Cavaco não tem condições para pacificar. Pelo contrário, como político, sempre apostou no afrontamento.

Cavaco não acredita naqueles que não reverenciam o seu saber ou que ousam desafiá-lo. Ele tem soluções. Ele sabe o que fazer, por intermédio da sua gente.

Como pedir-lhe então que ajude a compor ou a moderar as posições daqueles em cuja capacidade não acredita, ou porque não sabem…ou porque neles não confia pessoalmente?

Cavaco também tem contas a ajustar. Como se viu pelas três principais intervenções que fez depois da eleição. A campanha e outros episódios passados deixaram-lhe marcas que ele mantém bem vivas. Ele também está em luta…

Quem se recorda – e só não se recorda quem não quiser - do tipo de relações que Cavaco estabeleceu com a Assembleia da República e com os partidos da oposição, durante os dez anos em que foi Primeiro Ministro, logo compreenderá o silêncio de Cavaco.

Não lhe peçam o que ele não pode fazer!

3 comentários:

aires disse...

MARAVILHA....

é isto mesmo a personagem doente de Kavacu...

de facto só quem se esqueceu dos seus anos de PM, é que pode imaginar um homem diferente!!!

abraço

M.Horacio Lima disse...

Para Cavacos..Era o Conde Remenones, dos "Cepos" fazia carradas de "cavacos". So tinha uma refeicao
por dia! Tem 1 metro e cinquenta centimetros de altura e pesava45kg! Mas ainda e vivo com 96 anos! Isto sim,
e que sao homens de 'cavacos"Lembras-te o Homen contra o Salazar. As tetas da porca da Rpublica...Este Cavaco e alto de mais,seco de mais e como tudo...lapra quinta da coelha...

antonius disse...

Sim, infelizmente Cavaco só atua se for do seu interesse pessoal. Em termos de encenação não anda muito longe Sócrates. São estes os dois responsáveis políticos que os portugueses 'confiaram' o seu voto.
A democracia portuguesa está a ser palco dos procedimentos não democráticos...