terça-feira, 16 de setembro de 2014

A NOVA COMISSÃO EUROPEIA



OU A POLÍTICA QUE A “EUROPA” NOS RESERVA
RTX155QZ
 
 

Os socialistas acreditam que a salvação do país está na “Europa”, nas grandes transformações que inevitavelmente ocorrerão na política europeia.

Atentos ao voo das aves, os socialistas divisam augúrios de um futuro diferente, ao menor sinal vindo de Bruxelas. Desde Draghi, idolatrado e já quase considerado um neokeynesiano até Jean-Claude Juncker, “amigo” de Portugal e do crescimento, tudo aponta segundo os intérpretes da política de Bruxelas, para uma mudança a curto a prazo dos rigores económico-financeiros.

Infelizmente, aos áugures socialistas vai acontecer o mesmo que aconteceu aos áugures romanos. Também eles vão cair em descrédito, porque os auspícios não são nada favoráveis.

A Comissão formada por Jean-Claude Juncker, ou dito de outro modo, a Comissão que os Estados membros atribuíram a Junker, é ainda mais ortodoxamente neoliberal que a de Barroso: os vice-presidentes económicos, coordenadores da política económica dos EM, o finlandês Kaitanen e o letão Dombrovkis são, como reconhece Correia de Campos, “implacáveis defensores das políticas de austeridade e intransigentes face a países sob programa de ajuda externa”. Por outro lado, ao Reino Unido, que criticou a escolha de Junker pelo seu alegado federalismo, foi atribuída a pasta da “Regulação dos mercados financeiros”, que é o mesmo que entregar o galinheiro à guarda da raposa.  

Por outro lado, e este é mais um precioso augúrio, o ministro alemão da economia, Wolfgang Schäuble, ao apresentar as linhas gerais do orçamento para o próximo ano, anunciou que o seu país não vai emitir dívida pública em 2015 e que procurará manter essa tendência nos dois anos seguintes.

Ou seja, a Alemanha não encara qualquer hipótese de financiamento público de infraestruturas nem está predisposta a activar o investimento público europeu. Quem estiver à espera da “locomotiva alemã” para relançar a economia europeia vai ter certamente uma grande decepção.

Por último, a entrevista que El Pais hoje publica deJean-Christophe Cambadélis, primeiro Secretário do PS francês, é um documento patético, um verdadeiro requiem à social-democracia europeia, da qual a esquerda nada pode esperar.

É à luz da interpretação da política europeia, do que se está a passar na Europa, da conversão profunda da social-democracia ao neoliberalismo, que a disputa entre Costa e Seguro deve ser encarada e analisada.

9 comentários:

MANOJAS disse...

Acertadamente ou não, interpretei do último parágrafo do seu artigo, como conclusão, que não vale a pena preocuparmo-nos em apoiar Costa ou Seguro porque são ambos socialistas e estes acreditam numa "Europa" com a qual não há salvação.
(Eu acredito que pelo menos Costa acredita numa Europa, sem áspas, e como ele milhões de socialistas, e
é por tal Europa e dentro dela que se deve lutar. Ingenuidade minha, admito).
Voltando ao ponto de partida, julgo que o que aconselha é a saída da Europa, e do euro, contra a vontade do PSD e CDS (a direita) e do PSA (a esquerda com política de direita, como se diz) e o aplauso do PCP e BE (a esquerda verdadeira, como eles dizem). Para tal acontecer, não tendo o BE expressão suficiente, só se pode contar com o PCP, ou seja, em 2015 votarmos todos nele, dando-lhe a maioria absoluta, porque só com ela eles governarão. É esse o nosso futuro? Fora da Europa, fora do euro, com o Partido Comunista Português?

MANOJAS disse...

Acertadamente ou não, interpretei do último parágrafo do seu artigo, como conclusão, que não vale a pena preocuparmo-nos em apoiar Costa ou Seguro porque são ambos socialistas e estes acreditam numa "Europa" com a qual não há salvação.
(Eu acredito que pelo menos Costa acredita numa Europa, sem áspas, e como ele milhões de socialistas, e
é por tal Europa e dentro dela que se deve lutar. Ingenuidade minha, admito).
Voltando ao ponto de partida, julgo que o que aconselha é a saída da Europa, e do euro, contra a vontade do PS e CDS (a direita) e do PSA (a esquerda com política de direita, como se diz) e o aplauso do PCP e BE (a esquerda verdadeira, como eles dizem). Para tal acontecer, não tendo o BE expressão suficiente, só se pode contar com o PCP, ou seja, em 2015 votarmos todos nele, dando-lhe a maioria absoluta, porque só com ela eles governarão. É esse o nosso futuro? Fora da Europa, fora do euro, com o Partido Comunista Português?

MANOJAS disse...

Peço desculpa pela repetição e pelo êrro: não é PSA mas PS

MANOJAS disse...

Há outro erro:não é PS e CDS mas PSD e CDS

Anónimo disse...

Verdadeiramente impressionante o simplismo do raciocínio de Manojas

-Ele, logo ele, não percebe que as ideias não se trocam por um prato de lentilhas eleitorais?

(Miguel Torga num dos seus diários tem uma frase que poderia citar, mas para não dar azo à dispersão do debate, ficará para mais tarde)


-Ele, logo ele, deveria ao menos estar a par das posições dos diversos partidos e não só, acerca da UE, do euro , do pacto da estabilidade.

-Ele,logo ele deveria também saber que o processo tem feito o seu trajecto e que há muitos mais, hoje, no presente, que dão razão à posição altamente crítica do PC sobre tais temas

-Ele, logo ele, nem se apercebe que mais vozes se têm juntado à posição do PC, vozes por vezes críticas, autónomas, mas que contribuem com os seus argumentos para um alargar do debate, frontal e honesto, tornado mais amplo e democrático?

-Ele, logo ele está cego e surdo aos sons desta europa, cada vez mais crítica em relação ao seu rumo?

(com as devidas distâncias :
http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2014/07/ja-saiu.html#links)

-Ele logo ele não escuta os rumores cada vez mais audíveis de contestação a este caminho europeu de sentido único com as roupagens neoliberais que tudo trucidam sob a santa aliança dos liberais, centristas, conservadores e socialistas?

-Ele, logo ele, não se interroga sobre o rumo que esta europa tem tomado, em que as periferias são sugadas pelos grandes interesses económicos?

-Ele, logo ele, não se apercebe da farsa que é este projecto político europeu, a caminho dum patamar anti-democrático tido por impensável há anos?

-Ele, logo ele, nem se apercebe que a questão do euro pode nem ser uma imposição de qualquer dos nossos partidos mas sim ser um facto que um dia poderá estar presente com toda a força do real?


-Ele,logo ele, não se envergonha com o processo conduzido por essa coisa chamada hollande, que levou ao despedaçar das ilusões de uns quantos, que este post de Vitor Dias tão bem apanha?

http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2014/08/vocemeces-estao-todos-enganados.html#links

Ou este que é de facto soberbo?:

http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2014/07/quem-te-avisa-ou-antes.html#comment-form

-Eis o espectáculo que os socialistas dão na europa,para sua e nossa vergonha:
http://otempodascerejas2.blogspot.pt/2014/07/a-outra-not-selfie.html#links

(Há mais. Perdoem os exemplos tirados do tempo das cerejas mas tal deveu-se também a uma maior facilidade de recolha daqueles)

De

MANOJAS disse...

Ele, logo ele, exclama o anónimo De, referindo-se a mim, de pé atrás. Porquê? Isto trás água no bico, mas não vou no engodo e ficou à espera da frase esclarecedora de Miguel Torga que não acredito que seja um impropério. Até lá!

Anónimo disse...

Engodo?
Qual engodo qual carapuça.
E que tal Manojas deixar-se de rodriguinhos e ao menos ser objectivo quanto aos factos aqui apontados?

Mas deixemo-nos de conversa fiada. Aqui vai um curioso texto de Jacques Sapir, que se lê com bastante interesse e que mostra os buracos cada vez maiores na teia de interesses que é a UE:

http://resistir.info/franca/sapir_decomposicao_09set14.html

De

MANOJAS disse...

Anónimo De, não vou entrar em polémica consigo. Fiz um comentário ao post deste blog, sobre o qual virá ou não algum esclarecimento, dele, naturalmente, não de si.
Ponto final.

Anónimo disse...

Pois pode ser.

Mas feliz ou infelizmente um comentário público num blog com as características deste não transforma o debate nem num monólogo nem num diálogo a dois exclusivo.
Tanto mais que sempre que um texto é produzido e posto a circular de livre vontade,já não cabe em exclusivo ao seu autor. Ganha outras características e permite leituras outras.

O que convenhamos é um bem

De