quarta-feira, 30 de junho de 2010

ONTEM PERDEMOS, HOJE GANHAMOS



A TELEFÓNICA NÃO FICA COM A VIVO

Foi uma grande vitória. Finalmente, o Governo fez do uso da golden share da PT para fins diferentes da promoção de boys ou de interesses obscuros. Pela votação de hoje, realizada na AG da PT, ficou à vista onde está o famoso patriotismo do “Compromisso Portugal” e das suas grandes preocupações pela manutenção dos centros de decisão no país.
Foi uma decisão corajosa, acima de tudo simbólica, que merece ser sublinhada, independentemente do seu valor económico.
ADITAMENTO
O Sr. Relvas do PSD acha que a VIVO deveria ser entregue à Telefonica. Ou não fosse ele um apoiante do "Compromisso Portugal".
ADITAMENTO II
A Comissão Europeia já se manifestou e, como era de esperar, optou pela defesa da selvajaria em matéria de capitalismo. Em vez de fazer ameaças e invocar uma legalidade que não existe, o que a Comissão deveria preocupar-se era com a permanente violação dos Tratados que as últimas decisões do Conselho Europeu consubstanciam. Além de que as suas posições são frequentemente de cobardia política. Manifestou-se, por exemplo, a Comissão sobre a decisão do Tribunal Constitucional Alemão, quando este decidiu que Bundestag deveria "ratificar" os regulamentos comunitários antes da sua entrada em vigor?
Que o Governo não recue, haja o que houver, é o que se espera!

3 comentários:

Ana Paula Fitas disse...

Contundente e sintético, quando tantos se "esmifram" para despromover uma atitude válida que se define pela defesa do interesse nacional, este post, meu caro amigo, merece, de facto, uma saudação calorosa. Excelente! Parabéns!
Um grande abraço.

JVC disse...

Claro que gostei do resultado final, mas fiquei preocupado. A grande maioria hoje favorável à Telefonica não irá pelo mesmo caminho se a espanhola lançar uma OPA de arregalar o olho? Neste caso, a golden share tem algum poder? Podes esclarecer, porque não conheço os estatutos da PT?

Anónimo disse...

Eu sou dos poucos que pensam que os monopólios, sobretudo os naturais, deveriam ser controlados pelo Estado. O Estado se quer pôr e dispor não privatizava. Então as acções, com excepção das 500 douradas, só contam para receber os dividendos também eles condicionados, de facto, pelo Estado? Então o investimento em capital da PT não passa de mero investimento financeiro.
A verdade é os franceses, espanhóis etc têm mandado às urtigas os compromissos agora recordados pelo chefe da secretaria de Bruxelas. Mas pode quem pode. O Sócrates não comoverá muita gente, apenas o apoiarão alguns por mero tacitismo político.