quarta-feira, 19 de outubro de 2011

CAVACO DEMARCA-SE



OS COLABORACIONISTAS FICAM MAIS ISOLADOS




As palavras que Cavaco Silva proferiu hoje numa reunião de economistas não podem deixar de ser interpretadas como uma desautorização da política que o governo colaboracionista de Passos Coelho e Portas está levando a cabo contra o interesse nacional e os portugueses.

Certamente que a resolução dos nossos problemas não depende de Cavaco, mas é importante, muito importante, que o Presidente da República se demarque publicamente da política do Governo e da política da União Europeia, criticando duramente, como fez na semana passada, a usurpação de poderes do duo Merkel/Sarkozy bem como as medidas que têm sido adoptadas pelo Conselho Europeu.

Tal posição coincide, curiosamente, com o manifesto desalinhamento que Durão Barroso, como Presidente da Comissão, tem manifestado nos últimos tempos, quer pelas medidas que tem proposto (sem que ninguém “de cima” lhas tenha pedido) quer pelas reticências com que tem acompanhado as políticas fundamentalistas impostas à Grécia e aos devedores em geral.

Seria igualmente importante que os ex-Presidentes da República – Eanes, Soares e Sampaio – tomassem uma posição clara contra o que se está a passar neste país, nomeadamente sobre as medidas de extorsão que o Governo colaboracionista Passos/Portas se prepara para fazer aprovar no Parlamento. Posições claras, sem mas, nem ses, é o que se pede aos ex-Presidentes da República nesta hora de sofrimento e de luta do povo português.

No que respeita a Cavaco, porventura mais importante que a sua demarcação relativamente ao Governo é a percepção que parece já ter interiorizado da falência das actuais políticas europeias. Cavaco parece estar a convencer-se de que as medidas do governo colaboracionista apenas agravam a situação dos portugueses e remetem cada vez mais portugal para um caminho em tudo idêntico ao da Grécia…apenas em menos tempo.

A luta continua! É preciso derrubar o governo colaboracionista!

1 comentário:

JVC disse...

E eu também a aplaudir Cavaco e Durão! Onde já cheguei, mas é assim e bem, tem de se ser objetivo e desapaixonado. A política está mesmo complicada...