domingo, 7 de abril de 2013

A PROPÓSITO DE UM COMENTÁRIO AO POST ANTERIOR



 SOBRE O MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ASSINADO ENTRE AS TROIKAS

 
 
Os tratados internacionais têm de ser conformes à Constituição. Sobre isso nenhuma dúvida (ver Constituição). Em muitos países discute-se inclusive a possibilidade de derrogação do tratado pela lei ordinária. E não falta quem defenda esse ponto de vista, mesmo entre nós, embora o entendimento mais corrente lhes atribua força normativa supralegal, mas infraconstitucional. E isto aplica-se a todos. Portanto, também aos tratados constitutivos da União Europeia. Sobre isto nenhuma dúvida, tanto assim que a aprovação e posterior ratificação de alguns deles implicou a prévia alteração da Constituição.
 
Quanto ao Memorando de Entendimento com a Troika uma coisa é certa: não é um tratado internacional, nem sequer um acordo em forma simplificada.
 
Quando uns tontos disseram que o Tribunal Constitucional estava vinculado ao Memorando não sabiam o que estavam a dizer, já que o dito Memorando não passa de um compromisso assinado entre três partidos e a Troika (Comissão Europeia; BCE; e FMI), ou seja entre duas troikas. Normativamente é uma espécie de contrato entre as partes acima identificadas e vale fundamentalmente como compromisso político.
 
Desde há muito se sabe – e sabe-se com muita mais certeza depois da institucionalização do Estado de Direito – que os credores, embora se defendam juridicamente no plano contratual, para poderem interferir politicamente na governação dos Estados devedores usam meios para-jurídicos por serem exactamente aqueles que pelo seu informalismo jurídico lhes permite ser mais eficazes. Ou seja, o problema da conformidade das suas exigências com as normas internas do devedor não é um problema deles. É um problema do devedor. Se fosse deles corriam o risco de ver anuladas ou declaradas nulas algumas dessas exigências. Como não são deles, ficam à margem do problema que essas exigências engendram e devolvem ao devedor a responsabilidade de as resolver.
 
Ou seja: quem assinou o compromisso e se responsabilizou pelo seu cumprimento é que terá de fazer aprovar os meios normativos que permitam a sua execução. Se os meios normativos que o devedor põe em acção para satisfazer os compromissos assumidos são ilegais ou inconstitucionais cabe ao devedor alterar a lei ou a Constituição para assegurar a conformidade legal ou constitucional dos meios normativos necessários ao cumprimento dos compromissos. Essa tarefa é do Executivo e do Legislativo, mas nunca do Jurisdicional. Dai que não passe de uma covardia política ou de uma imbecilidade jurídica fazer recair sobre os tribunais a responsabilidade pela constatação da nulidade ou pela anulação de actos ilegais assim como pela declaração de inconstitucionalidade das normas inconstitucionais.
 
Só que chegados aqui, chegamos ao ponto nevrálgico da questão: que fazer quando o devedor ou os seus representantes entendem que os compromissos assumidos perante o credor só podem ser cumpridos mediante a subversão dos princípios estruturantes do Estado de direito democrático, o mesmo é dizer, da Democracia?
 
Chegados a este ponto a resposta só pode ser uma: os princípios estruturantes da democracia não se negoceiam. Se alguma coisa há a negociar é a dívida, mas nunca a Democracia. Se os representantes do devedor insistirem no cumprimento dos compromissos assumidos mediante a subversão dos princípios democráticos e do conceito de Estado de direito só resta expulsá-los, nem que seja à força, inclusive mediante recurso à força das armas, do papel de representantes do devedor!

5 comentários:

vmsda disse...

Oportuno, claro, conciso.

Antonio Cristovao disse...

Vamos a ver se os que não são tontos, incluindo o tribunal constitucional resolvem o problem de pagarem os ordenados no fim do mês.
Talvez que se va buscar a quem andou a gastar a brava estes anos todos, dentro da legalidade democrática e com decisoes apenas dos orgãos nacionais e constitucionalmente responséveis.

Gil disse...

Concordo com um dos aspectos do comentário de Antonio Cristovão, discordo de outro.
Concordo que se devia ir buscar a quem qndou a gastar À BRAVA estes anos todos (banqueiros, grandes empresas parasitas do Estado, sector financeiro em geral, fautores e actores da corrupção).
Discordo que a obrigação de resolver o problema seja de TODOS os que não são tontos, incluindo o Tribunal Constitucional; só de alguns dos que não são tontos, i. é, dos mencionados acima.

Anónimo disse...

Homeopathic Methods to Treating Depression, Continue Reading: http://ifaybook.comlu.com#97321 - Sense of terror, or impending doom or death, as example: http://oboyflag.webuda.com#90739 - Your diet, how much you exercise, and your stress level all affect depression. So, if you want to beat the blues, you'll need several lines of attack. These tips can help.

Anónimo disse...

Then reward him with a treat or lots of praise. Medical experts feel that many diets play a curing role in increasing anxiety and even in prevention of certain types of panic attacks. facts on ambien. No need to start a panic attack! best place buy ambien online. Buy Zolpidem Pills Cheap - Get the facts: [url=http://www.ambienbuyonlinepills.com#cheap-ambien-online-no-prescription]buy ambien[/url] 1995 buy ambien online, Purchase Ambien Without Rx - buy ambien no prescription. ambien side effects tingling. Panic attacks can lead to phobias if they aren't treated. ambien effects fetus