quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

PARA QUE SERVEM AS CIMEIRAS IBERO-AMERICANAS?



O EXEMPLO DA ÚLTIMA REUNIÃO

Foi por iniciativa de Espanha que nasceu a ideia de reunir anualmente os Chefes de Estado e de Governo da Península Ibérica e da América Latina como uma forma de manter uma ligação visível aos Estados latino-americanos, depois de consumada a sua adesão à então Comunidade Económica Europeia.
À época em que a Cimeira foi criada nenhum Estado latino-americano desempenhava pela positiva um papel de relevo na cena internacional ou mesmo no contexto regional em que se inserem. Certamente que o Brasil já era um grande país mas, acabado de sair de uma longa ditadura e com problemas económicos e sociais de toda a ordem, era mais famoso pelas suas dívidas e pelo apertado colete-de-forças a que o FMI o submetia do que propriamente pelos seus méritos.
Os outros dois grandes países, a Argentina e o México, cada um com os seus problemas, também pouco contavam na política internacional. O México tinha pouco antes protagonizado a famosa crise da dívida, quando anunciou a cessação de pagamentos aos bancos americanos, crise de que saiu a custo e com pesados encargos para com o Tesouro americano que lhe emprestou o dinheiro para continuar a honrar os seus compromissos. A Argentina, ciclicamente mergulhada em crises político-económicas, não obstante as grandes potencialidades que inegavelmente encerra, ainda hoje está longe de ter encontrado o rumo certo.
Outros países de dimensão intermédia, como a Venezuela, que à época vivia uma das histórias de corrupção e de endividamento mais marcantes da América Latina, também pouco ou nenhum significado tinham na cena internacional, não obstante as fabulosas riquezas naturais dos seus territórios, como é, mais uma vez, o caso da Venezuela.
A Espanha via, portanto, na institucionalização destas reuniões, entretanto apoiadas pela institucionalização de certos órgãos destinados a assegurar a sua continuidade e funcionamento no tempo intermédio, uma excelente oportunidade para reafirmar a sua ligação privilegiada com a América Latina e prevalecer-se dela na sua relação com a Europa.
Portugal aproveitou a boleia, como sempre um pouco acriticamente e sem uma estratégia clara quanto à sua participação, para não dizer sem qualquer tipo de estratégia. Quase se pode afirmar que Portugal partia para estas reuniões como quem parte para uma reunião de família alargada sem sequer conhecer bem os problemas que, com o tempo, os membros da família vão tendo entre si.
A sobrevivência institucional desta organização quase informal é fundamentalmente financiada pela Espanha. E uma forma de lhe garantir alguma vitalidade é ir promovendo, nos “entretantos”, alguns projectos de cooperação a favor dos países mais necessitados ou projectos de maior visibilidade para quem os financia, acabando sempre por recair sobre a Espanha a maior ou a exclusiva responsabilidade desses financiamentos. Outros apenas prometem, ou quando cumprem com alguma coisa, o cumprimento fica sempre muito aquém da promessa.
Dezanove anos, quase vinte, depois do nascimento desta organização muita coisa mudou, principalmente na América Latina. Já aqui por várias vezes fizemos referência às grandes alterações ocorridas naquele espaço geográfico e ao sentido dessas alterações, pelo que não vale a pena repetir constantemente as mesmas ideias. Importa apenas sublinhar que entretanto o Brasil, principalmente durante os mandatos de Lula da Silva, se transformou numa grande potência emergente, regionalmente hegemónica e cada vez mais com uma agenda própria e voz autónoma em todos os grandes temas da comunidade internacional.
O Brasil, apesar de não ser uma grande potência militar, pelo poderio económico que entretanto foi consolidando, tem hoje a pretensão de se medir com os Estados Unidos e com a União Europeia, formando com outras três grandes potências, igualmente emergentes - a China, a Rússia e a Índia - alianças tácticas em domínios que vão muito para além das questões meramente económicas e comerciais. Portanto, é perfeitamente natural que em cada ano que passa vá olhando com mais indiferença para as reuniões da Cimeira Ibero-americana.
Estas reuniões só lhe interessam se servirem os seus interesses e dificilmente a satisfação dos seus interesses carece daquelas cimeiras para se concretizar. Dito de outro modo, a presença dos Estados Ibéricos nestas reuniões é para a afirmação geo-estratégica do Brasil uma excrescência neo-colonial perfeitamente dispensável. Apesar de tudo, o Brasil não quer acintosamente tomar posições que melindrem aqueles países, mas espera que eles percebam, sem reticências, a nova realidade.
E isto a diplomacia portuguesa não percebeu. Luis Amado ao tentar fazer aprovar uma declaração comum sobre as Honduras contrária ao sentimento progressista e emancipador da América Latina demonstrou mais uma vez a sua incapacidade para compreender o mundo tal qual ele é. Omitir a invalidade das eleições nas Honduras ou ter a pretensão de fazer passar uma declaração comum com habilidades manhosas de linguagem é não compreender o que representa hoje o Brasil na América Latina e no mundo. Tornando-se “muito sensível” à posição da Colômbia, do Perú, da Costa Rica e do Panamá, para não “comprometer a unidade do conjunto”, Amado colou-se à posição americana e desprezou a realidade, que, como sempre, mais forte do que a vontade, acaba por ditar as suas leis.
Como triste “ersatz” do seu falhanço engendrou uma declaração da presidência, com um acrescento de última hora, contraditória nos termos, que apenas compromete quem a faz.
Para que não houvesse qualquer espécie de dúvida, Lula da Silva, que já havia chegado tarde, abandonou a reunião antes do seu termo, declarando à saída que não teria vindo a Lisboa para discutir a questão das Honduras. Sobre esse assunto, a posição do Brasil, de resto semelhante à dos restantes países latino-americanos, com excepção dos quatro acima citados, é inegociável: as eleições promovidas sob o poder dos golpistas não são válidas. Ponto parágrafo! E é natural que com as suas desassombradas declarações tenha começado a anunciar a morte lenta das Cimeiras Ibero-Americanas…

2 comentários:

JVC disse...

Zé, a propósito e invocando a tua enorme experiência de cooperação, e porque já não tens de medir as palavras, que tal um dia destes um post sobre a CPLP?

JVC disse...

Ou queres que eu comece primeiro com a cooperação na saúde? :-)
Dou-te tópicos: o Centro de Medicina Tropical de Bissau, o projecto Clinton/Amado-Gago da malária em S. Tomé, as ONG de Angola, o empalmanço espanhol dos portugueses na Manhiça, etc.