quinta-feira, 6 de maio de 2010

RICARDO RODRIGUES E O ESTADO DE DIREITO


O RECURSO À ACÇÃO DIRECTA

O deputado socialista, Ricardo Rodrigues, que se tem notabilizado por desempenhar no Parlamento um papel semelhante ao de certos jogadores do meio-campo a quem os treinadores de futebol encarregam da tarefa de destruir o jogo do adversário por todos os meios - o chamado "trabalho sujo", no dizer dos comentadores brasileiros -, passou ontem à acção directa...e não foi expulso!
Tal como os delinquentes apanhados em flagrante também ele alegou "coacção psicológica insuportável" para justificar a conduta que o levou a apoderar-se pela força de dois gravadores dos jornalistas que o tentavam entrevistar.
Mas se um dia destes alguém no Parlamento vier defender o crime de enriquecimento ilícito lá estará ele para o inviabilizar em nome da defesa do Estado de Direito.
E o PS o que diz a isto? Mas não é Ricardo Rodrigues que fala no Parlamento em nome do PS?

1 comentário:

JVC disse...

Não esquecer que também é o coordenador da intervenção do PS na comissão de inquérito ao caso TVI/PT. A patetice misturada com velhacaria da sua intervenção na comissão é confrangedora mas também hilariante. Valha a verdade que, quando é substituído por Osvaldo de Castro ou apoiado por Ana Catarina Mendes, a coisa não melhora muito. Para onde vai este PS?

Vivaço foi Carlos César, cuja inteligência abona mais do nível geral açoriano do que a falta da cuja neste infeliz espécime que é excepção que confirma regra. Quando RR ficou de tal forma atolado em m****de cumplicidade criminosa com a sua cosntituinte, de casos clamorosos de incompetência profissional na defesa de seus constituintes e, dizia-se, em casos farfalhosos, César conseguiu que o pateta se demitisse de secretário regional por motivos pessoais e enviou-o para Sócrates, que o colocou na AR e logo com o destaque que tem tido.