terça-feira, 2 de março de 2010

OS JORNALISTAS RECOMENDAM-SE CADA VEZ MENOS




FALTA HONESTIDADE…

Praticamente não ouvi o debate entre Rangel e Passos Coelho. Tinha a televisão ligada, mas estava a fazer outra coisa. De vez em quando lá me entrava uma frase pelo ouvido, que apenas servia para confirmar a ideia que tenho de cada um deles. Rangel é um grande reaccionário, populista, típico arrivista que, empurrado por aqueles que quase lhe garantiram que era chegado o momento, não hesitou em candidatar-se desmentindo tudo o que ainda na véspera tinha jurado.
Passos Coelho é um repetente. Já foi completamente liberal e perdeu. Agora faz-se passar por moderamente liberal, aberto a consensos, pouco dado a rupturas e vai fazendo um discurso que claramente o diferencie e demarque da actual direcção – apoiante de Rangel – por ele considerada perdedora numa situação potencialmente ganhadora.
Cada disse ou terá dito as suas coisas, deixando aos ouvintes o encargo de os interpretar. Só que depois vêm os jornalistas, com as suas preferências, com as suas incumbências, para evitarem que o ouvinte pense pela sua própria cabeça. E quanto mais rapidamente aparecerem melhor…para os seus objectivos.
Não tenho bem a certeza de quem estava na SIC N, porque não tenho paciência para os ouvir, mas vi que estava lá o Ricardo Costa a debitar. Parei um pouco e logo percebi que estava perfidamente a desancar Passos Coelho sem dó nem piedade.
Não tem nada de mal que ele faça a sua campanha. Mas por que é que ele não diz que é apoiante do Rangel? Então, não seria muito mais honesto? Seria, mas não seria a mesma coisa…

1 comentário:

JVC disse...

Passaste-te?! Seja lá o que for que estivesses a fazer, e espero que fosse coisa boa, certamente não merecia gastares cera com tão ruim defunto.