quarta-feira, 23 de maio de 2012

A CIMEIRA DE LOGO À NOITE EM BRUXELAS






AS PROPOSTAS DE HOLLANDE



A serem verdadeiras as notícias hoje veiculas pela imprensa sobre as propostas que Hollande apresentará na reunião de logo à noite, terá de reconhecer-se que elas representam uma alteração significativa do que têm sido nestes últimos quatro anos as reuniões da União Europeia ao mais alto nível.

Porventura pior do que as medidas que foram adoptadas ao longo daqueles anos, foi, no plano dos princípios, a completa inibição que recaía sobre os membros do Conselho para apresentar propostas ou discutir assuntos que não constassem da agenda do directório franco-alemão.

Merkel “cozinhava” com a cumplicidade de Sarkozy as decisões previamente tomadas pelos alemães e era apenas e só à volta dessas propostas que a discussão tinha lugar. Elas balizavam os limites da discussão, nunca ultrapassados pela covardia dos dissidentes ou pela sintonia dos acólitos.

E foi assim que as políticas de austeridade foram adoptadas num misto de punição moral e de fervor ideológico e depois sucessivamente reiteradas mesmo quando já se tinha demonstrado à evidência que elas só agravavam ainda mais a situação dos países intervencionados. O que se fez à Grécia figurará futuramente nos compêndios de economia como uma das maiores cegueiras ideológicas do nosso tempo e nos de história como um crime friamente cometido contra todo um povo na base de um fanatismo moral comparável ao que de pior a Europa conheceu na sua história.

A fazer fé na imprensa, Hollande defenderá a emissão de eurobonds com vista à mutualização dos riscos e ao abaixamento dos juros (incomportáveis) hoje pagos pelos países intervencionados ou sob pressão dos mercados; a recapitalização directa dos bancos pelos fundos de resgate sem o condicionalismo imposto pelos programas de austeridade; o financiamento dos fundos de resgate pelo BCE ou mesmo o financiamento directo do BCE aos países em dificuldades; e ainda a subtracção ao défice dos investimentos de futuro.

São propostas que para aquelas cabeças quadradas dos alemães representam a inversão da “ordem natural das coisas”. Está fora de questão que Merkel venha a aceitar tais “heresias”, só que a questão que interessa não é saber qual vai ser a posição da Alemanha, que antecipadamente se conhece, mas quem se aliará a ela na defesa da “ortodoxia neoliberal”.

Estarão de certeza com a Alemanha aqueles que mais têm ganho com a adopção do euro como moeda única, como é seguramente o caso da Áustria, da Finlândia e da Holanda. Mais importante vai ser conhecer a posição daqueles que, estando intervencionados ou sob forte pressão dos mercados, e tendo, portanto, teoricamente todo o interesse na adopção daquelas medidas, as vão rejeitar por razões ideológicas ou por cálculo político.

Certamente que a Grécia e a Itália apoiarão as propostas de Hollande. Mas que dizer das posições da Irlanda, da Espanha e de Portugal?

O PS português poderá ter, em função dos resultados da reunião de logo à noite, mais uma boa razão para rasgar o programa da Troika se o Governo português, como tudo indica, continuar a apoiar as posições da Alemanha.

3 comentários:

Rogério Pereira disse...

Veremos... com tão curta espera, dá para esperar sentado...

Contudo, não bastará ao PS romper com o tratado. Restará saber quais as suas propostas, no concreto. A pressão dos maus resultados que apontam para o insucesso das medidas são por si só, razões fortes de carácter politico a justificar a ruptura. É no plano das alternativas que a questão se colocará...

JM Correia Pinto disse...

É isso mesmo. É preciso fazer a discusão sobre o que vem a seguir. O que efectivamente queremos e o que tem de ser mudado. E muita coisa tem de mudar na UE para que ela possa continuar existindo.

anamar disse...

Mais uma vez , obrigada pela sua lucidez. :)) E, clareza.
Vou partilhar no FB. Espero que os meus amigos não sejam preguiçosos e o leiam...
Estas letrinhas matam-me...
Abracinho