terça-feira, 29 de maio de 2012

GASPAR OBRIGADO A SEGURAR RELVAS



O ACORDO COM AUTARQUIAS


A linha de crédito que o Ministério das Finanças vai conceder às autarquias para pagamento de dívidas na sequência das negociações que vinham tendo lugar entre Relvas e Ruas aparece na hora certa para o Ministro adjunto, politicamente muito debilitado depois do “episódio das secretas” e das suas ligações ao espião que continuava a espiar no interesse particular mesmo depois de exonerado do cargo que ocupava. Mas Relvas estava também sob fogo cerrado na frente autárquica tanto pelas restrições impostas aos municípios como por ter aberto uma frente tão desnecessária quanto inútil na parte mais débil da administração local, com o programa de redução das freguesias decidido completamente à revelia da vontade das ditas. Esta linha de crédito vai permitir-lhe respirar durante uns tempos e Ruas encarregar-se-á, como já começou a fazer, de tentar esbater os protestos das freguesias e simultaneamente enaltecer o importante papel do Ministro na defesa dos interesses autárquicos.

 A prova de que Relvas não pode cair, de que Passos Coelho não o pode deixar cair – e ambos saberão bem porquê – está no facto de até Gaspar ter tido que se vergar aos superiores “interesses nacionais” que exigem a sua permanência no Governo. Uma presença que cada vez fica mais cara ao erário público…

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Registo:

"e ambos saberão bem porquê"