terça-feira, 10 de novembro de 2009

JORGE SÁ BORGES



UM TESTEMUNHO

Tomei conhecimento pelo blogue de um amigo do falecimento de Sá Borges. Recordo a sua passagem pelos Governos Provisórios de Vasco Gonçalves, em representação do PPD. Uma presença muito digna, colaborante e séria, como de resto também era a de Magalhães Mota.
Com dois secretários de estado muito “ferozes”, ficava a ideia, a todos os que participavam nos Conselhos de Ministros, que as suas ausências nalgumas reuniões eram ditadas pela linha dura do partido que se sentia mais confortavelmente representada por Graça Moura ou por Macedo, já que na maior parte dos casos não havia qualquer correspondência entre estas presenças e a natureza das matérias em agenda.
Com o tempo Sá Borges foi-se afastando da vida política activa e infelizmente só voltei a ouvir falar dele agora. A minha homenagem pelo seu contributo para a instauração do regime democrático em Portugal.

4 comentários:

Guigas disse...

Muito Obrigada pelas suas palavras sobre o meu pai. Era sobretudo um homem honesto.

No próximo sábado (14.11) terá lugar na Basílica da Estrela a Missa de 7ºdia. Quando me fôr confirmada a hora eu deixarei aqui a informação, para o caso de querer participar.

Margarida Sá Borges

JMCPinto disse...

Fico muito reconhecido pelo seu agradecimento.Guardo dos tempos que referi muita simpatia e consideração pelo seu Pai.
JMCPinto

VM disse...

Olha, Guigas. De facto, o teu pai foi acima de tudo um homem extremamente honesto e, como diz o Correia Pinto, um cidadão a quem a instauração do regime democrático deve muito.
Poucos dos que lerem estas linhas alguma vez saberão quanto ele, a maior parte das vezes silenciosamente, se bateu e quanto sacrificou - a começar pela sua carreira política, de que tanto gostava - por uma sociedade mais justa. Um beijo. VM

Guigas disse...

Conforme o prometido: A Missa de 7º dia do meu pai será no próximo sábado (14.11) na Igreja do Campo Grande às 17.45h.

JMCPinto: Fico muito feliz em saber que guarda boas recordações do meu pai.
Agradecer é o mínimo que eu posso fazer às pessoas que, como o Sr., escreveram palavras tão simpáticas sobre o meu pai.

VM: Obrigada pelas suas palavras. Guardarei tudo o que escreveram para daqui a uns tempos mostrar aos meus filhos. Vão concerteza ficar orgulhosos do Avô Jorge.

Um beijo aos dois,

Margarida Sá Borges