sexta-feira, 13 de novembro de 2009

JOSÉ SÓCRATES, VALENTIM LOUREIRO, PINTO DA COSTA...



... A MESMA DEFESA

Na declaração que hoje fez aos órgãos de comunicação social, José Sócrates quer saber se as escutas (de que foi alvo involuntário) são legais. E justifica-se dizendo que se tratava de conversas particulares com um amigo. Reiterou finalmente que não mentiu ao Parlamento, já que no Parlamento falou como Primeiro-ministro, não tendo tido, nessa qualidade, conhecimento dos factos que presumivelmente terá abordado com Vara.
Vamos lá ver se nos entendemos, para que não restem quaisquer dúvidas. Nós não queremos conhecer as conversas particulares de José Sócrates, nem tão-pouco temos legitimidade para aferir da veracidade das informações que prestou ao Parlamento face ao conteúdo de anteriores conversas com Vara. Não é disso que se trata.
Nós apenas queremos saber se nas conversas de Vara com José Sócrates há indícios que tipifiquem um ilícito criminal no qual o Primeiro-ministro seja, a qualquer título relevante (autor, co-autor, cúmplice, encobridor, etc…) interveniente. Só isto e nada mais.
Se a isto Sócrates responde com a ilegalidade das escutas, como se depreende das suas palavras desta manhã, a primeira resposta que Sócrates deverá ter é a de que não há qualquer ilegalidade no caso. A segunda é que se insiste, na esteira de Júdice e Marinho Pinto, repetir a argumentação de Pinto da Costa e de Valentim Loureiro, baseada na ilegalidade das escutas, tentando por essa via impedir a relevância jurídica do seu conteúdo, ele ficará indelevelmente marcado com o ferrete da suspeita. E se no futebol ou nas autarquias a suspeita ou a certeza de certos comportamentos ainda são (infelizmente) compagináveis com o exercício de certos cargos, já o mesmo se não passará no mais alto cargo do Executivo português.

2 comentários:

JVC disse...

Há mentiras habilidosas e mentiras como toda a gente entende. Neste caso, provavelmente JS não está a mentir, porque o que hoje lhe ouvi sempre foi que não tinha tido conhecimento oficial do caso TVI. O "oficial" é que é tudo!

Faz lembrar uma célebre história. "O Sr disse ontem que nunca tinha feito etc". "Desminto absolutamente" Mais tarde, confrontado com a verdade, o político disse que estava a desmentir era o "ontem", porque tinha sido "anteontem".

FJCoutinhoAlmeida disse...

...
"Tudo isto existe,
tudo isto é triste,
tudo isto é fado"

(letra de um célebre fado)