segunda-feira, 16 de março de 2009

16 DE MARÇO DE 1974



FOI HÁ 35 ANOS

Há trinta e cinco anos uma coluna militar do Regimento de Infantaria 5 das Caldas da Rainha, comandada pelo capitão Armando Marques Ramos, marchou em direcção a Lisboa com vista à tomada do poder.
A coluna, que contava durante a sua marcha com a sublevação de outras unidades militares, foi interceptada à entrada de Lisboa por forças leais ao regime. Sem os apoios com que contava, inverteu a sua marcha e regressou ao quartel das Caldas, pouco depois cercado por forças da Região Militar de Tomar, às quais se rendeu.
Dias depois, Marcelo Caetano, com a situação dominada, numa “conversa em família”, qualificou o acto como um gesto irreflectido e talvez ingénuo de alguns militares.
Soube-se mais tarde que o levantamento das Caldas da Rainha foi perpetrado por militares afectos a Spínola, exonerado pouco tempo antes, juntamente com Costa Gomes, do cargo de Vice-Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas. Para além do gesto de desagravo ao cabo de guerra a que estavam afectiva e profissionalmente ligados, desde a guerra da Guiné, a acção dos militares revoltosos parece constituir também uma manobra de antecipação ao Movimento das Forças Armadas, em que participavam, mas não dominavam, e que à época conspirava activamente com vista ao derrubamento do regime, o que veio a acontecer 40 dias mais tarde.

3 comentários:

Carlos Santos disse...

Caro amigo,

Poderá parecer a despropósito mas espero que não. Os PVD como alguns que colonizamos e guerreamos, tiveram a meu ver um sinal de esperança do passado Sábado com o resultado da cimeira dos G-20. Se quiser poderá ler e comentar (e discordar!) em http://tinyurl.com/cnepjd. Em todo o caso não está esquecida a promessa de reflectir sobre o leste europeu. O falhanço do modelo de transição.
Um abraço,
Carlos Santos

Anónimo disse...

Caro amigo

Obrigado pelo endereço. Vou consultar. Fico aguardando a reflexão sobre o leste.
abraço
CPinto

Anónimo disse...

Tanto quanto sei foi o Capitão Luís da Piedade Faria, já falecido, que comandava a coluna.
Não esquecer que era o mais antigo dos que puderam sair e que os profissionais militares sempre foram ciosos da sua antiguidade.