segunda-feira, 31 de março de 2008

GOSTAVA DE SABER COMENTAR ASSIM


O COMENTÁRIO DE SARSFIELD CABRAL SOBRE A CRISE ECONÓMICA AMERICANA

O comentário de Sarsfield Cabral, na edição impressa do Público de hoje, pág. 43, espelha muito bem o ponto de vista daqueles que durante anos nos andaram a dizer que a desregulamentação dos mercados, nomeadamente dos financeiros, muito contribuiria para a nossa felicidade enquanto homo economicus. Hoje, esses mesmos arautos da desregulamentação, confrontados com uma crise de dimensão mundial, limitam-se a descrevê-la, aliás muito sumariamente, sem minimamente se preocuparem com as verdadeiras causas que a originaram. Ou seja, relatam-na o mais assepticamente possível, como se de uma fatalidade se tratasse.
Gostava de os ver a comentar a crise de um regime apostado em esbater as desigualdades sociais ou realmente preocupado em assegurar educação, saúde e segurança social para todos os seus cidadãos, independentemente dos seus rendimentos. Aí não faltariam receitas, críticas e longas dissertações sobre as causas que a ditaram.
Vejamos alguns exemplos de como a situação é descrita: a) o défice das contas externas (é uma das causas da crise; mas não há uma razão para o défice das contas externas? Se não se quiser perguntar a Bush, pergunte-se a Vasco Pulido Valente, que ainda no último sábado, a propósito da guerra do Iraque, dizia que, para a continuar, “dinheiro é coisa que não há-de faltar”, ver post infra); b) falência do crédito hipotecário facilitado pelas baixas taxas de juro (outra causa; mas há alguém de bom senso que acredite que o incumprimento do crédito hipotecário para a compra de casas, por mais americanos que atinja – e deverá atingir aí uns quatro a cinco milhões –, poderia ter, só por si, estas consequências? É óbvio que, embora aquela seja a causa remota da crise, as verdadeiras e devastadoras causas são as que tendo aquela situação por base permitiram que a partir dela se montasse uma gigantesca “operação D. Branca”, à escala mundial).
Concretizando e explicando, dentro dos limites do possível, por um leigo em questões de economia, nomeadamente de casino. Dentro dos limites do possível, porque a crise do sistema financeiro americano é de difícil explicação. A parte relativa ao imobiliário parece fácil: em consequência do juro baixo (em grande medida, resultante da crise das ponto.com, que fez com que o Presidente da Reserva Federal, Allan Greenspan, como ele próprio explica, tivesse baixado e mantido baixos, por vários anos, os juros), as pessoas, persuadidas pelos bancos, iam comprando casas que não poderiam depois pagar. E como o mercado das casas na América parecia um mercado consistente, uma parte significativa do sistema financeiro global, apostou nele. Então, como se explica que a ruína de uma parte – sim, porque é apenas uma parte – do mercado imobiliário tenha provocado tais efeitos?
Porque o dinheiro dos empréstimos com que as casas eram adquiridas deixou de ser dinheiro local e passou a ser dos investidores de todo o mundo. Na verdade, capitais de todo o mundo afluíram ao mercado imobiliário norte-americano, nomeadamente os capitais que exigem uma boa rentabilidade, como são os provenientes da subida do preço do petróleo e do boom asiático. Ora, como os empréstimos para a compra de casas eram concedidos a pessoas que teriam dificuldade em os pagar (os bancos sabiam disso), eles tinham juros mais altos, embora estes juros estivessem disfarçados e aparentemente atenuados por taxas de juro mais baixas no início. É claro, que os compradores conheciam as condições em que compravam. Eles não foram enganados. E muitos deles até sabiam que nem sequer iam permanecer na localidade onde compraram a casa pelo tempo de pagamento do empréstimo hipotecário (cerca de 30 anos). Só que eles, tal como os investidores, contavam com a constante subida do preço das casas.
Os bancos, titulares das hipotecas, para as tornar as atractivas para os investidores começaram a seccioná-las em várias tranches (sénior de tipo AAA, mezzanine de risco AA a BB e equity sem rating) de risco diverso, que depois vendiam aos investidores interessados no mercado imobiliário (as famosas CDO, collateralized debt obligation). Para que se compreenda: os investidores não tomam directamente posição nos empréstimos do mercado imobiliário, mas numa entidade que redefiniu o risco e a recompensa (daí que o Sr. Greenspan continue a afirmar que a crise tem a sua causa no modelo de previsão de riscos, que não tomou em consideração todas as variáveis!).
Por outro lado, os investidores incrementaram ainda mais os seus lucros recorrendo à “alavancagem”, ou seja, investiam 100 milhões com 1 milhão de capital próprio e 99 milhões emprestados (como se sabe, a “alavancagem” compensa sempre que o preço a pagar pelo capital mutuado seja francamente compensado pelo rendimento esperado). E era, em virtude dos baixos juros praticados e do alto rendimento das CDO.
É claro que este tipo de investimento envolve um grande risco. Risco que os especuladores não calcularam devidamente, porque os grandes “sábios” dos mercados financeiros, Greenspan, Bernanka, e toda a série de consultores especializados, lhes fizeram crer que o mercado imobiliário americano era muito seguro, porque o preço das casas nunca baixaria! E de facto, os preços não cessavam de subir…Só que espiral não pára aqui: os bancos não directamente envolvidos no negócio imobiliário ficaram igualmente enredados nesta gigantesca teia quando começaram a vender complexas apólices de seguro para as dívidas hipotecárias, que obviamente os tornava responsáveis face ao incumprimento dos devedores. E depois foi o efeito dominó…caiu uma peça, caíram em cascata todas as subsequentes.
Como a crise vai ser resolvida já não é da nossa conta, embora o mais provável aponte no sentido de mais uma vez os especuladores de Wall Street se “safarem”, ao menos parcialmente, para que a crise não derrube a economia real!
O que já é da nossa conta é questionar como a partir da construção de uma casa – um acto de economia real – se pode permitir esta espiral de negócios que nada tem a ver com a realidade! É o mercado livre em todo o seu esplendor, como diria o Sr. Greenspan, muito admirado pelos Clinton!

1 comentário:

Anónimo disse...

reported almost all people settle its lending options on time along with lacking problems
A number one financial debt nonprofit can expect the numerous men and women turning to these individuals for the purpose of aid across payday loans credit card bills to make sure you two times the following. debt good cause pronounces round have used all the cash advance, increased awareness lending options in 2010. The particular charity claims several years gone by the sheer number of customers with them was basically unimportant.
szybka pożyczka
szybkie kredyty bez zaswiadczen
pożyczki prywatne pozabankowa
szybka pożyczka
szybka pożyczka

http://kredytybezbiku.biz.pl
http://kredytybezbiku.biz.pl
http://pozyczkanadowod24.com.pl